Diretoria do Centro Infantil Boldrini visita Oficinas de Trabalho e Geração de Renda do Cândido Ferreira

Reunião teve como foco o compartilhamento de experiências entre as duas instituições

ONGS EM CAMPINAS
Cleusa Cayres, Luciana Maldonado, Marta Balotin, Sandrina Indiani e Carlos Barbosa

No dia 16 de junho, Luciana Maldonado, superintendente administrativa e financeira, e Marta Regina Balotin, diretora executiva do Boldrini, fizeram uma visita ao Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira com a finalidade de conhecer o espaço e, junto à equipe da instituição, discutir e dividir informações sobre os desafios enfrentados pelo terceiro setor.

Sandrina Indiani, presidente do Conselho Diretor do Cândido Ferreira, em união a Cleusa Cayres, gestora do Núcleo de Oficinas e Trabalho, e Carlos Barbosa, responsável pela área de marketing e captação de recursos da instituição, receberam as visitantes, que puderam conhecer de perto as oficinas artesanais, as oficinas de alimentação (buffet e restaurante) e a horta orgânica.

O encontro foi uma forma de estreitar laços entre as duas instituições. Através da exposição sobre o funcionamento e o dia a dia de uma oficina de trabalho e inclusão, seus aspectos legais e comerciais, frentes de trabalho e geração de renda, foi aberta a possibilidade para que a diretoria do Boldrini conhecesse mais da história do Cândido e das próprias oficinas. A equipe do Cândido Ferreira, por sua vez, pôde entender mais sobre o formato do programa de voluntariado do Boldrini, bem como o modelo de trabalho voltado para a captação de recursos da organização.

A reunião se mostrou muito produtiva para as duas instituições, que puderam, por meio do diálogo e da aproximação de experiências, ampliar relações e discutir novas propostas.

“Foi uma grande satisfação receber aqui no Armazém das Oficinas, a diretoria do Boldrini. Primeiro porque se trata de uma instituição referência para o Brasil no tratamento do câncer infantil,  que é séria e reconhecida mundialmente pelo trabalho que realiza. Também porque possuem a captação de recursos e o voluntariado estruturados e trabalhando há tempos de forma planejada. Aprender com quem realiza com excelência é uma grande oportunidade de fazer benchmarking e ganhar escala rapidamente. Por fim, compartilhar nossa experiência de quase 30 anos com uma instituição como o Boldrini é gratificante, pois reflete a reputação de nosso trabalho de inclusão e impacto social” 
afirma Cleusa Cayres

Para Carlos Barbosa, a visita entre ONGs deve ser algo a ser fortalecido, pois todos saem ganhando com a troca de experiências:

“Normalmente encontramos outros gestores de ONGs em reuniões organizadas pela FEAC ou pela Phomenta e o networking sempre acontece no coffee break. Como as ONGs não têm concorrentes como empresas da iniciativa privada, o compartilhamento de informações é super saudável e sempre levamos aprendizados uns dos outros. Nas visitas podemos aprofundar um tema mais específico ou questionar sobre uma ação que precisa ser fortalecida, com insights que os parceiros podem proporcionar por já terem vivenciado a situação anteriormente”, conclui.

            Devido ao sucesso da visitação, a equipe do Cândido pretende, em breve, também ir ao Boldrini.

Matéria redigida por Mariana de Castro, voluntária e estudante de jornalismo da PUC Campinas.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *